Vontade de vencer na Vida e no Desporto

Jovens jogadoras do CAR Jamor relataram a sua experiência e deram a conhecer os objetivos para o futuro

Imagem de Destaque 1 Imagem de Destaque 2 Imagem de Destaque 3 Imagem de Destaque 4
Atletas
8 OUT 2022

A atividade não permite paragens. O início de época obriga a procedimentos que fogem da rotina do dia-a-dia, mas que são essenciais para o bom funcionamento do trabalho.

Por isso, as jogadoras escolhidas pela Federação Portuguesa de Basquetebol para o Centro de Alto Rendimento (CAR), no Jamor, tiveram uma semana mais preenchida, com a realização das avaliações físicas, para além das atividades normais.

A juntar aos treinos, às aulas, aos jogos e a todo o planeamento que faz parte do dia-a-dia destas jovens promessas do basquetebol português, ainda houve tempo para, no dia 5 de outubro, assistirem ao vivo ao jogo da Liga Betclic feminina que opôs a Quinta dos Lombos ao Imortal Tcars. Maria Andorinho falou pelo grupo sobre a experiência. “Sendo jogadoras da formação, é uma mais-valia termos oportunidades de ver jogos da nossa Liga. Conhecermos a rotina, vermos as jogadoras, perceber os objetivos das equipas. Estar no pavilhão permite-nos observar detalhes que podem fazer a diferença, como são por exemplo atitudes no banco, as mensagens que os treinadores querem transmitir ou, simplesmente, ver uma jogada para mais tarde em treino fazer igual. Ainda para mais, se tivermos em conta que num período de espaço curto poderemos estar a disputá-la. Esse é um objetivo a alcançar para qualquer uma de nós”, disse.

As expectativas das atletas são grandes em relação à aventura que abraçaram. Crescer no basquetebol é o grande objetivo; promover a modalidade no feminino é também um propósito bem presente. Madalena Amaro deu o mote: “Tenho grandes expectativas para o futuro, mas nada se realizará sem esforço e dedicação. O CAR é uma oportunidade incrível para conseguir trabalhar todos os aspetos necessários para que, num futuro próximo, alcance o topo no basquetebol português”, afirmou.

O mesmo pensa Denise Neves, outra das jogadoras que vive no CAR do Jamor. Para a jovem atleta, “esta experiência irá fazê-la, tanto como atleta como pessoa, e abrirá muitas portas para o seu sucesso no futuro”. O pensamento é comum. A vontade de vencer também. “A experiência no CAR é muito enriquecedora. Estar rodeada de atletas de alto nível e ter a oportunidade de aprender com treinadores reconhecidos, vai dar-me a base e experiência enquanto atleta, colega de equipa e conhecimento do basquetebol nas vertentes tática e técnica para o meu futuro na modalidade”, conclui Anita Pereira.

Estas três últimas jovens aceitaram o nosso desafio: responder a um curto questionário sobre o início da época, o projeto da Federação e o futuro. As respostas revelam muito da vontade de vencer, na vida e no desporto, e da importância deste projeto para o basquetebol português.

Como avalias o trabalho que estás a desenvolver com as tuas colegas?
Madalena Amaro – Tem sido um trabalho muito interessante e motivador. É muito bom treinar com bastante competição. Todas queremos evoluir e eu acho que isso é o mais importante .
Denise Neves – Acho que estamos a evoluir muito como equipa, mas ainda há muito trabalho pela frente.
Anita Pereira – A equipa técnica que nos acompanha desenvolve um plano de trabalho muito completo, pessoal e coletivo. Não esquece nenhuma componente desde o treino físico, descanso, nutrição e componentes pessoais, para além de, claro, a nossa formação enquanto jogadoras. É um desafio a que procuramos corresponder diariamente e tem sido muito gratificante verificar o progresso.

O que significa para ti seres uma das eleitas para este projeto?
Madalena Amaro – É muito gratificante saber que existem pessoas que acompanham o nosso trabalho ao longo dos anos, além disso é uma oportunidade incrível e única para melhorar como atleta e como pessoa”.
Denise Neves – Ser uma das eleitas para este projeto faz-me acreditar que tenho potencial e que apenas precisa de ser trabalhado para atingir um alto nível.
Anita Pereira – “Frequentar o CAR é um sonho tornado realidade! Muitas jogadoras que admiro passaram por aqui e penso ser o local ideal para trabalhar e alcançar os meus objetivos. Tenho consciência da responsabilidade que é representar este projeto e aposta que a federação faz em nós e procuro desfrutar ao máximo das excelentes condições que nos são disponibilizadas”.

Como está a adaptação às aulas e a este ritmo exigente de trabalho?
Madalena Amaro – É um ritmo diferente a que não estava habituada, mas com a ajuda das minhas colegas foi tudo mais fácil. Existe tempo para tudo, anda sempre à base de uma boa gestão de tempo.
Denise Neves – Sendo uma atleta de segundo ano no CAR, já começo a gerir melhor os meus horários e a habituar-me a este ritmo, mas continua a ser preciso uma grande dedicação e esforço.
Anita Pereira – Está tudo pensado de forma a otimizar o nosso tempo. No entanto, no meu primeiro ano aqui, houve uma fase de adaptação, tanto a nível físico, nos treinos, como a nível emocional, saindo de casa aos 14 anos. A FPB dá grande importância aos nossos resultados escolares e é possível conciliar as duas coisas com brio e dedicação. É importante priorizar o descanso de forma a ter rendimento dentro e fora de campo, e sei que evoluí muito neste aspeto da gestão do tempo. A Tutora, o Pinto Sebastião e treinadores estão muito atentos ao nosso bem-estar.

Achas que são projetos como este que podem ajudar a desenvolver o basquetebol feminino? Porquê?
Madalena Amaro – Sem dúvida! É um projeto muito interessante, com bastante potencial. Pega em jovens atletas e ajuda-as a desenvolver os vários aspetos da modalidade.
Denise Neves – Acho que sim, no CAR experienciamos outro tipo de nível que muitas vezes não encontramos nos nossos clubes, e ter estas condições para poder melhorar o nosso desenvolvimento académico e desportivo é uma grande ajuda ao basquetebol feminino.
Anita Pereira – Sabemos que há um sólido plano de desenvolvimento a longo prazo da modalidade no setor feminino, já em funcionamento há muito tempo, que tem dado frutos nas jogadoras que agora integram as seleções nacionais seniores, com o apoio de equipas técnicas de muito conhecimento e experiência internacional em todos os escalões. É um prazer fazer parte deste projeto e vou dar o meu melhor para contribuir e honrar o que as jogadoras portuguesas já conquistaram.

Atletas
8 OUT 2022

Mais Notícias