União Sportiva procura igualar meia-final da Liga Skoiy

Nausia Woolfolk e Tatiane Pacheco esperam encontro equilibrado

União Sportiva procura igualar meia-final da Liga Skoiy Imagem de Destaque 1

À entrada para o segundo jogo da meia-final entre União Sportiva e Vitória SC, marcado para sábado pelas 15 horas, a FPB falou com Nausia Woolfolk e Tatiane Pacheco sobre a importância deste encontro, que tem transmissão na FPBtv.

Depois da derrota em Guimarães, Woolfolk confessa que o União Sportiva não esperava estar nesta posição: “Não é a posição em que esperávamos estar, mas a equipa e eu sentimo-nos determinadas e focadas para vencer o próximo jogo”, reconhece.

“O primeiro jogo ensinou-nos que não podemos cometer tantos erros fáceis, e quando as coisas não estão a correr como queremos, temos que nos aproximar para dar a volta à situação”, explica a norte-americana que chegou este ano a Portugal.

A atleta de 23 anos, proveniente da Universidade de Florida State, acredita que a intensidade apresentada durante o encontro será fundamental para o triunfo: “A nossa energia tem que ser sempre alta, não importa o que se está a passar no jogo. Tudo o que temos de fazer é manter a nossa intensidade de forma consistente”, assevera.

“Temos de nos esforçar na defesa e não desistir de nenhuma bola. Em jogos como este, cada posse de bola é importante e faz a diferença”, conclui Nausia Woolfolk.

Ao contrário da equipa da casa, as visitantes entram para a esta partida em vantagem na meia-final, e a um passo da final da Liga Skoiy, mas Tatiane Pacheco relembra que é importante não perder o foco: “Temos um pouco mais de ansiedade, mas ao mesmo tempo temos que manter os pés no chão. Jogar nos Açores é extremamente complicado”.

Apesar do triunfo no primeiro jogo da meia-final – vitória por 79-62 – a internacional canarinha não espera um resultado tão desequilibrado no resto da eliminatória: “Não esperávamos que o jogo terminasse com a vantagem com que terminou. Conseguimos fazer um bom trabalho defensivo, anular os pontos fortes delas, mas esse jogo foi atípico tendo em conta os outros que tivemos contra elas”, esclarece.

“Elas vão estar contra a parede neste segundo jogo, então vão para o tudo ou nada; é a oportunidade que têm para continuar com o sonho de chegar à final, por isso acredito que vêm com tudo”, antecipa a atleta de 30 anos.

Abordando o segundo encontro, Tatiane não espera facilidades, e explica qual o plano para conseguir o acesso à final: “Não vai ser um jogo tranquilo, acho que vai ser difícil e muito disputado do início ao fim. Acredito que se igualarmos ou dominarmos a luta das tabelas, pode ser um passo importante para conseguirmos sair com a vitória”, palpita.

23 ABR 2021

Mais Notícias